quarta-feira, 5 de abril de 2017

O cometa leva-me, cauda que transparece a todos os céus. Tu me admiras, iluminada, teu o sorriso.
Coisas querem partir. Viagens à volta do mundo.
A língua materna é macia, as palavras escorrem luminosas.
Casa em que nasci, impossível demoli-la.
Fujo da redoma azul, mulher nua em exposição!
Arqueóloga, escavo, cidades antiquíssimas. Onde os quartos de amor?, palavras em línguas remotas, sons que se amoldam aos lábios meus.
Um canto dentro da noite. Voz alheia ou lugar para despertar-me a alma?